music
Comments 3

Festival Canavial – Parte 3

entrada-cidade1.jpg
Monumento ao Maracatu na entrada da cidade de Nazaré da Mata – PE

No fim da tarde daquela última sexta feira de novembro, até as formigas que atravessavam a estrada que corta a zona da mata pernambucana em direção ao canavial mudaram o percurso. O destino era o sítio Chã de Camará, onde acontecia o Festival Canavial 2007. Quando chegamos – eu e as tanajuras – assustei com a infinidade de brilhos e cores por todos os lados. Os caboclos de lança – aquela figura que vem a sua cabeça quando eu falo a palavra maracatu – vestiam suas golas bordadas por adolescentes locais. Um trabalho que exige paciência e habilidade manual, muito diferente do ofício que alguns deles exerciam nas plantações de cana. Os amigos ajudavam os brincantes a vestir a estrutura pesada e repleta de sinos que fica por baixo da gola e é a responsável pelo som quando eles se movimentam.

bordados1-eli.jpg
Meninos bordam gola dos guerreiros de lança

Das 19 ás 10:30 da noite oito grupos de maracatu se apresentaram. Uma infinidade de apitos, sinos, batuques e ….cachaça, claro! A bebida animava o povo, que para não exagerar no fogo forrava o estômago com vaca atolada e caldinho de camarão, o menu oficial da noite.

caboclo.jpg
Brincante se concentra antes de dançar o Maracatu

estrela-de-ouro-eli.jpg
Maracatu Estrela de ouro se ajoelha para Mestre Zé Duda

O anfitrião da festança, o Maracatu Estrela de Ouro, foi o último a se apresentar. Depois de sete desfiles, eu já não acreditava que pudesse me surpreender com alguma coisa, mas quando os caboclos se ajoelharam para Mestre Zé Duda cantar, entendi porque o cara é um dos mais respeitados comandantes do furdúncio pernambucano. 62 anos, 58 carnavais nas costas e comandante de um exército de 160 homens e mulheres. Ele já fala em deixar o posto, mas ainda não encontrou um substituto a altura.

ze-duda-eli.jpg
Mestre Zé Duda

ze-duda-canto.jpg
Mestre Zé Duda em ação

Depois das apresentações dos Maracatus a noite ainda teve shows memoráveis como o do Mestre Salustiano. Não conhece? O sujeito é chamado de Mestre Salu e é filho de um dos maiores rabequeiros do país, seu João Salustiano. O cara inspirou artistas como Antônio Nóbrega, Chico Science e Mestre Ambrósio. Mas o ponto alto ainda estava por vir. O colorido que tomava conta do evento foi substituído pela sóbria camisa preta do saxofonista Spok, da SpokFrevo Orquestra, que tocou com o bandolinista pernambucano Marcos César. O que se viu foram arranjos modernos para choros e muito improviso, a marca registrada do artista. Ao lado deles, uma banda com cavaquinho, pandeiro e outros instrumentos de percussão. Frevo e choro com pegada de jazz, para gente que calçava havaianas e prestava atenção com a mesma dignidade e mais animação do que o público de terno e gravata que presenciou o músico no TIM Festival 2005 em São Paulo.

jazz.jpg
Maestro Spok, Marcos César e gringo do jazz

 

This entry was posted in: music

3 Comments

  1. Muito boa as informações sobre o evento descrito acima, quando terá outro evento?

    Tem possibilidade de ser publicada uma programação dos eventos do mesmo gênero, a ser realizado na região mata( Nazare, aliança), proximo ao carnal 2009?

    Adilson dos Prazeres.
    Salvador BA, Natural recife.

  2. Adilson Gomes dos Prazeres says

    Boa tarde,

    Gostária de saber a programação dos evento que irão acontecer em Nazare da Mata relacionado ao Maracatu.

    Eu e a minha família somos grandes admiradores dessa cultura

    Desde já agradeço.
    Adilson Gomes dos Prazeres
    Salvador BA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s